Correio Sudoeste - Juiz fala da possibilidade da implantação de um centro de internação de menores infratores em Guaxupé

Guaxupé, 14 de dezembro de 2019
 
Publicidades

Juiz fala da possibilidade da implantação de um centro de internação de menores infratores em Guaxupé

Publicado segunda, 09 de setembro de 2019





O juiz da Vara da Infância e Juventude, Milton Furquim, concedeu entrevista à reportagem do Jornal para falar da situação dos menores infratores na área de atuação da Comarca de Guaxupé.

Segundo o magistrado, no passado a situação envolvendo menores infratores era bem pior do que atualmente, pois naquela época a dificuldade para se conseguir uma vaga para internação era bem mais difícil do que hoje.

Para ele a falta de vagas para internação é um verdadeiro estímulo para que o menor continue praticando os atos infracionais e ainda acrescentou: a polícia apreende o menor infrator, o juiz determina a internação, porém não há vagas suficientes para interná-los, desta forma eles permanecem “livres e soltos” e ainda gozam com a cara do juiz, do promotor de justiça, do delegado e do policial militar que o apreendeu. Assim eles fazem um verdadeiro terrorismo na cidade.

O juiz explica que as “medidas socioeducativas” aplicadas aos menores infratores depende da gravidade do ato infracional praticado. Em se tratando de ato infracional leve a lei prevê que seja dada uma “advertência”. Para ele isto é uma “tremenda idiotice”, tendo em vista que o menor não acata o aconselhamento do juiz. Em casos um pouco mais graves o menor permanecerá sob “liberdade assistida”, com assistência de pessoal técnico especializado, como psicólogos entre outros profissionais da área. Porém o juiz menciona que é muito difícil fazer este “acompanhamento”. Outra medida socioeducativa é a prestação de serviços à comunidade. Para Milton Furquim esta seria a mais eficiente, uma vez que o menor terá a oportunidade de se tornar útil.

Já nos casos mais graves, quando o menor pratica atos de violência, como assaltos à mão armada ou tráfego de drogas ilícitas, o juiz poderá decretar a internação do mesmo num período que pode variar de 5 a 45 dias, desde que não seja prolatada a sentença definitiva neste período.

O magistrado explica que mesmo os menores infratores que comentem atos de extrema gravidade, como homicídios e ou latrocínios (matar para roubar) não podem permanecer em celas de cadeias, mesmo que separados dos adultos, enquanto aguardam vagas em institutos especializados.

O magistrado também informou que o TJMG- Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, criou o CIA- Centro de Internação de Adolescentes. Por enquanto a única unidade implantada localiza-se em Belo Horizonte, e a segunda estava prevista para ser criada em Juiz de Fora, porém a partir de muito empenho dos juízes locais, além de outras autoridades, a unidade que estava prevista para Juiz de Fora deverá ser implantada em Guaxupé.

O CIA funciona nos moldes das antigas e primitivas unidades judiciárias. É instalado em um prédio de dois pavimentos, no andar térreo funciona o “alojamento” dos menores infratores, já no segundo são instalados, o gabinete do delegado de polícia civil, do promotor de justiça, do juiz da Vara da Infância e Juventude, da Polícia Militar, além dos respectivos cartórios.

As negociações para a implantação do CIA em Guaxupé teve início no Governo Pimentel, porém com a mudança do governador do Estado de Minas Gerais paralisou-se as tratativas.

O magistrado menciona que a manutenção dos alojamentos, bem como a responsabilidade da manutenção dos guardas, além das demais despesas é de responsabilidade do Governo do Estado, assim como já acontece nos presídios destinados a maiores de idade.

Segundo o magistrado, a administração municipal se comprometeu em colaborar na implantação da unidade em Guaxupé com a reforma e adaptação de algum prédio ou, em sendo o caso, até mesmo construir um novo, nos moldes exigidos pelo TJMG. Porém ele deixou bem claro que a unidade local só poderá receber menores infratores dos municípios de Guaxupé e São Pedro da União, ou seja, que menores oriundos de outras comarcas não poderão ser internados aqui.

Ele lembrou que a população cobra do judiciário uma solução definitiva com relação às infrações graves praticadas pelos menores, porém a disponibilização de vagas depende do Poder Executivo, ou seja, não tendo a vaga não adianta o Poder Judiciário determinar a internação.

Finalizando mencionou: no passado a atuação dos menores infratores esteve crítica, foi preciso chegar ao fundo do poço para se conseguir vagas para internação, porém as mesmas não são suficientes para atender a demanda. Atualmente as infrações graves são casos isolados, e não deixam de ser preocupantes e que demandam uma solução rápida e eficiente.




Mais Justiça


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar