SARAMPO: crianças que se deslocarem para municípios em situação de risco devem ser vacinadas - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 21 de agosto de 2019


Publicidades

SARAMPO: crianças que se deslocarem para municípios em situação de risco devem ser vacinadas

Publicado, terça, 06 de agosto de 2019





Em Guaxupé, Vigilância afirma que ainda não receberam recomendação da Regional

O Ministério da Saúde alerta aos pais, mães e responsáveis que vão viajar com os filhos de seis meses a menores de um ano de idade para municípios em situação de surto ativo do sarampo no país (lista abaixo). A recomendação é que todas essas crianças, nesta faixa etária, sejam vacinadas contra a doença, no período mínimo de 15 dias, antes da data prevista para a viagem. Além de proteger, a medida de segurança pretende interromper a cadeia de transmissão do vírus do sarampo no país. Atualmente, 39 cidades em três estados brasileiros se mantém com surto ativo, ou seja, com crescimento do número de casos confirmados da doença. São eles: São Paulo, Pará e Rio de Janeiro. 

A chamada “dose zero” não substitui e não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Assim, além dessa dose, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade; e aos 15 meses para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral + varicela. É importante destacar que a vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente do planejamento de viagens para os locais com surto ativo do sarampo ou não. É importante ressaltar ainda que toda pessoa, de um ano a 49 anos de idade, deve ter duas doses da vacina contra o sarampo para ficar protegido contra a doença.  

Para interromper a cadeia de circulação do vírus do sarampo, o Ministério da Saúde em parceria com os Estados e Municípios estão realizando diversas ações, entre elas, o bloqueio vacinal seletivo e ações de rotina de vacinação; e campanhas de vacinação para a população de 15 a 29 anos de idade, esta última, em alguns municípios.

Em Minas Gerais desde o início de 2019 foram notificados 137 casos suspeitos de sarampo provenientes de 53 municípios do estado. Desses 69,4% (95/137) foram descartados; 27,7% (38/137) estão sob investigação e 2,9% (4/137) foram confirmados, sendo um importado.

 

SITUAÇÃO EM GUAXUPÉ

Por ser limítrofe com o Estado de São Paulo muitos pais estão preocupados com o alastramento da doença.

Segundo Jurema, Diretora da Vigilância do Saneamento e Saúde de Guaxupé, o último registro de suspeita de sarampo na cidade foi em 2013 e a campanha de vacinação em massa de Sarampo só é feita quando se têm casos recentes registrados da doença. Como isso não aconteceu, não há nenhuma campanha de vacinação ativa na cidade no momento. Ela também afirmou que por hora não há nenhuma recomendação da Regional de Alfenas.

Municípios brasileiros com surto ativo de sarampo (mantém crescimento do número de casos confirmados da doença) até 26/07/2019

Estado - Municípios

São Paulo

Barueri

Caçapava

Caieiras

Diadema

Embu

Estrela D’Oeste

Fernandópolis

Francisco Morato

Guarulhos

Hortolândia

Indaiatuba

Itapetininga

Itaquaquecetuba

Jales

Mairiporã

Mauá

Mogi das Cruzes

Osasco

Peruíbe

Pindamonhangaba

Praia Grande

Ribeirão Pires

Ribeirão Preto

Santo André

Santos

São Bernardo do Campo

São Caetano do Sul

São José dos Campos

São Paulo

Sorocaba

Taboão da Serra

Taubaté

 

Rio de Janeiro

Paraty

Rio de Janeiro

Nilópolis

 

Pará

Monte Alegre

Santarém

Porto do Moz

Prainha

De acordo com o Calendário Nacional a vacina tríplice viral (que previne Sarampo, Caxumba e Rubéola ou a tetraviral (que inclui prevenção também à Varicela) devem ser tomadas em duas doses na infância, sendo a primeira aos 12 meses de idade e a segunda aos 15 meses de idade. Entre os 02 e 29 anos quem não tenha nenhum registro de dose da vacina tríplice ou tetraviral deverá receber duas doses com intervalo de no mínimo 30 dias entre uma e outra. Gestantes com até 29 anos, caso não tenham nenhum registro de dose da vacina tríplice ou tetraviral, deverão receber no pós-parto as duas doses também com intervalo de 30 dias. E os adultos entre 30 a 49 anos que não tenham nenhum registro das vacinas deverão receber apenas uma dose.




Mais Cidade


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar