Perícia técnica colhe materiais para avaliar possível contaminação de água causada pelo cemitério Alto da Colina - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 21 de agosto de 2019


Publicidades

Perícia técnica colhe materiais para avaliar possível contaminação de água causada pelo cemitério Alto da Colina

Publicado, sábado, 03 de agosto de 2019





Na última terça-feira, 30, o juiz da Primeira Vara Cível da Comarca de Guaxupé, Milton Furquim, determinou que fosse expedida uma ordem para que os peritos designados numa ação civil pública, com o apoio da Polícia Militar, possam adentrar em dos imóveis pertencentes à Cooxupé.

Mas não foi necessário.

A Cooxupé informou que recebeu ofício do Juiz da 1º Vara Cível requerendo que a Cooxupé franqueasse a entrada de peritos “na área da cooperativa, a qual fica nas redondezas do novo cemitério municipal, localizado no Alto da Colina, durante os dias 30 e 31 de julho de 2019, de forma que possam realizarem a perícia judicial, para instruir os autos de nº 0287.03.11595-3.”,  contudo, como a Cooxupé não faz parte do processo judicial em referência, e, como de praxe, solicitou mais informações a fim de se inteirar do assunto e disponibilizar pessoal para auxiliar e atender a determinação judicial, a qual foi cumprida no mesmo dia, sem a necessidade de intervenção da Polícia Militar.
Informou ainda, que de forma alguma a intenção da Cooxupé foi criar obstáculos. Conforme dito, o Dpto. Jurídico da Cooxupé seguiu o procedimento padrão de buscar mais informações sobre o processo, antes de colaborar com a perícia judicial.
Por fim, relata que, para auxiliar na coleta do material necessário à perícia, a Cooxupé disponibilizou um Profissional de seu Laboratório e uma equipe de eletricistas, uma vez que foi necessário a instalação de uma bomba d’água para que os peritos pudessem realizar seus trabalhos.


Entenda o caso
Em 21 de fevereiro de 2003 o advogado César Tadeu Dias, em nome da ONG “Sítio da Tia Marianinha” ajuizou a ação civil pública, processo nº 0287.03.011595-3, com pedido de liminar, para que a Justiça determinasse a imediata paralisação das obras do Cemitério Parque Alto da Colina, bem como a proibição de sepultamentos naquele local com fixação de multa diária em virtude de descumprimento.
O fundamento era de que o necro-chorume resultante da decomposição dos cadáveres poderia contaminar o lençol freático, bem como duas nascentes de água localizadas naquelas imediações e o rio Guaxupé, manancial que abastece toda a cidade de Guaxupé.
No dia 8 de abril daquele ano o então juiz daquela Vara de Justiça, Marcos Irany Rodrigues da Conceição, indeferiu o pedido de liminar. Desta forma o processo vem rolando nos últimos 16 anos.
Para o deslinde da questão, o atual juiz titular da Primeira Vara Cível, Milton Furquim, determinou que fosse realizada uma perícia técnica “para colheita de material e análise com o objetivo de verificar possível contaminação do lençol freático que abastece a cidade de Guaxupé, pelo Cemitério do Alto da Colina”.
Acontece que a Cooxupé possui uma de suas unidades em local que confronta com o mencionado cemitério.
Conforme consta dos autos, na mencionada área de propriedade da Cooperativa, supostamente, existe um poço artesiano.
Segundo o juiz, a coleta de amostras de água em poços artesianos localizados nas imediações do referido cemitério seria “peça-chave” no monitoramento de aquíferos e nos estudos sobre eventuais impactos provocados pela mencionada necrópole.
O juiz também havia determinado que a Prefeitura custeasse a perícia técnica.




Mais Justiça


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar