Vereador sugestiona que servidores da Saúde podem estar “boicotando a administração” - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 16 de agosto de 2022


Publicidades

Vereador sugestiona que servidores da Saúde podem estar “boicotando a administração”

Publicado terça, 15 de março de 2022





Em virtude da nefasta repercussão de um vídeo gravado e divulgado pela TV Sul que reportava a existência de uma fila de grandes proporções de pessoas que pretendiam agendar consultas médicas no Posto de Saúde Pio Damião, na manhã da última segunda-feira, 14 de março, foi tema da 3ª Sessão Ordinária da Câmara e dominou os inúmeros e intermináveis discursos políticos dos vereadores.

Segundo a reportagem, a fila iniciada nas dependências daquela unidade de saúde se prolongou pela Rua Dr. Antônio dos Santos Coragem (Rua do Buracão), Travessa Valeriano José da Silva, atingindo o cruzamento com a Rua D’Aparecida.

De forma taxativa, o presidente da Câmara Municipal, Zettinho, declarou que aquela Casa Legislativa “precisa dar uma resposta para a população”, apesar de que teriam sido agendadas mais de 270 consultas médicas naquela oportunidade; que alguma coisa tem que ser feita e que do jeito que está não pode ficar.

Léo Moraes mencionou que um determinado deputado federal vai na imprensa, se vangloria em dizer que teria conquistado milhões para a Santa Casa local, porém a quantia que realmente chegou é muito menor, que o valor seria para a cobertura de procedimentos da microrregião de Guaxupé.

Marcelo Cunha alegou que dinheiro para custear os procedimentos existe, porém faltam profissionais, e que existem pessoas aguardando na fila para a realização de um procedimento cirúrgico desde 2016. Ele defendeu que os vereadores precisam se unir para encontrar uma solução na tentativa de normalizar o atendimento da saúde pública em Guaxupé.

Já o vereador Didinho, que ao longo de seus mandatos sempre foi um ferrenho defensor da saúde pública, fez gravíssimas acusações. Ele disse que “parece que tem funcionários da saúde tentando boicotar o mandato do Dr. Heber:  “quando a gente vai lá parece que eles têm o rei na barriga, porém quando são chamados para virem aqui para se explicarem, ficam mansinhos”.

O vereador mencionou que tem sido muito bem recebido em outros departamentos da Prefeitura e que não podia dizer o mesmo da secretaria de Saúde, acrescentando: “eu não gosto de falar mal dos outros, mas já estou desanimado, até parece que a gente é inimigo daquele povo (servidores da saúde). Parece que é má vontade, eles precisam ter dó do povo e colocar a mão na consciência”.

De forma taxativa o vereador reclamou que a administração municipal realiza concursos públicos, admite funcionários, porém estes servidores nem sempre estão capacitados e treinados para desempenharem as funções, principalmente no atendimento e na solução dos pacientes que demandam atendimento de saúde. Nas palavras de Didinho estes funcionários se limitam em dizer “eu não posso passar ninguém na frente do outro”. Para ele existem “casos e casos”, o que era eletivo há anos agora é urgência e não tem como esperar mais. Sem mencionar os nomes, disse que uma mulher está em vias de ficar cega pela falta de um procedimento cirúrgico; que um empregado de um posto de gasolina que vinha aguardando há anos na fila de espera para a realização de uma cirurgia de hérnia acabou pagando do próprio bolso pelo procedimento; que uma mulher que também estava há anos na fila de espera, e que corria risco de vida em virtude do agravamento do quadro clínico, teve que desembolsar em torno de R$ 6 mil para custear o procedimento cirúrgico. Para ele, as famílias que estão custeando estes procedimentos cirúrgicos correm risco de passar fome.

R$ 2 milhões para as cirurgias

Didinho também declarou que já teria procurado pessoalmente o prefeito sugerindo que o mesmo solicitasse uma autorização legislativa para abertura de um crédito suplementar de R$ 2 milhões, acobertados no superávit do exercício de 2021, que atingiu a cifra de R$ 46 milhões.

Ele entende que, após obter este crédito suplementar, seria possível a realização de um processo licitatório para a realização de 1.500 procedimentos cirúrgicos, embora mais de 3.200 pessoas aguardem por um procedimento desta natureza.

Vale lembrar que em administração passada, através de uma ação do mesmo tipo, Didinho conseguiu com que 367 pessoas fossem beneficiadas com algum tipo de procedimento cirúrgico eletivo.




Mais Câmara


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar