JUIZ COMENTA SOBRE DECISÃO DA TERCEIRA DOSE DA VACINA - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 29 de julho de 2021


Publicidades

JUIZ COMENTA SOBRE DECISÃO DA TERCEIRA DOSE DA VACINA

Publicado segunda, 19 de julho de 2021





Tendo em vista os questionamentos pelas redes sociais quanto à tutela de urgência concedida para aplicação da dose ‘extra’ de vacina e, percebendo que os comentários e críticas extrapolam o que foi decidido, com o  intuito de esclarecimentos, consigno:

Sabemos que, quando vamos tecer alguma crítica ou mesmo elogio a algum texto, para isso é fundamental que o crítico leia o texto todo para ter um mínimo de condições de emitir sua opinião. É comum opinarmos com base no ‘achismo’, mas isto é de relevar-se quando se trata de pessoas não afeitas a algum conhecimento específico e/ou mesmo sem conhecimento que ao menos lhe dê alguma condição de compreensão ao que foi publicado e, ainda, o verdadeiro objetivo da publicação.

Acompanhando os comentários percebo que eles são graciosos e mostram que, a grande maioria não leu a decisão, ou se leu, poucos a compreenderam e, aí, acabam distorcendo a realidade da decisão e influenciando outros a seguir na mesma critica com subsídio no ‘achismo’

É bem de ver que a decisão não critica e nem valoriza qualquer vacina disponível no mercado. Não.

A decisão em momento algum afirma que, aqueles que tomaram as doses da vacina Coronavac estariam permitindo-se a tomar uma dose extra. Não é isso que diz a decisão.

A decisão apenas diz que somente aqueles cidadãos pertencentes ao GRUPO de RISCO, e que já tomaram as duas doses da vacina, e mesmo assim, testaram negativo, é que poderiam tomar uma dose extra de vacina (revacinação). Mas não basta somente estas condições, é preciso que o seu médico prescreva sobre a necessidade de se vacinar novamente, sem o que, com certeza, não será deferido tal pleito.

Qualquer outra hipótese não se enquadra no que foi permitido pelo magistrado.

O que estamos vivenciando diariamente é que a cada momento a própria medicina ou organismos e médicos passam e repassam a população esclarecimentos antagônicos, uns dizendo uma coisa, e outros dizendo outras e, assim ficamos sem saber a quem depositar um mínimo de confiança.

Como dizem com muita propriedade, o juiz não é médico, não cursou medicina. Certo, mas  nem por isso, enquanto juiz, vou deixar de julgar, e assim julgamos milhares de assuntos que nunca estudamos, dentre eles medicina, astronomia, etc. etc. Não por isso vamos deixar de dar a solução ao caso que é posto a julgamento, para isso, acreditando que ele possui o mínimo de inteligência, ele faz pesquisa, leitura, consulta especialistas, etc.

Aqueles que dizem que o Juiz por não ser médico jamais poderia emitir ‘opinião’, parecer e, portanto julgar, equivoca-se, pois ao juiz aplica-se o brocardo ‘da mi factum, dabo tibi ius’ (me dá o fato e te darei o direito).

Também para aqueles que dizem que o juiz estaria preparando o ‘terreno’ para poder se beneficiar com outra dose, digo que, tomei as duas doses de vacina da Corona Vac, sequer fiz o teste para saber de minha imunização e, jamais me valeria de tal expediente.

Não procede o argumento de que o juiz estaria, com esta decisão querendo holofotes. Infeliz conclusão. A cada dia enfrento questões posta à minha apreciação dos mais variados temas e todos têm para mim a mesma importância. Respondo pelas duas Varas Cíveis, Infância e Juventude, e Eleitoral, logo com mais de 25 mil processos, cada qual com suas peculiaridades e particularidades.

Julgar não é fácil. Criticar não requer nenhuma dificuldade. Toda decisão do juiz é passiva de crítica, agora o que não pode é duvidar de sua capacidade se você não tem elementos para isso.

Para finalizar basta você saber de uma coisa, a questão da pandemia é recente no mundo e nem a medicina, o Judiciário, o governo, etc. tem a solução para dar uma resposta imediata a sociedade.

A medicina continua buscando descobrir um fármaco para acabar com esta pandemia; o Judiciário decidindo, até onde vai sua competência dando soluções para fazer o mínimo de justiça. A justiça não é feita somente com o direito, mas também com a própria  a justiça. Saiba que entre o direito e a justiça, deve prevalecer esta última.

No caso da vacina não existe no mundo todo nem uma lei ou decisões que possam servir de parâmetro para outros casos. Então como o juiz faz para decidir: basta abrir a Constituição Federal, e decidir com os olhos voltados para os princípios da dignidade humana, preservação da vida e da saúde, que é o dever do Estado.

É importante salientar que a programação da vacinação tem procurado atender por demanda, contudo, necessário também observar-se os casos pontuais, sem que isso implique em quebra da isonomia ou invasão ao quanto já decidido na esfera administrativa, porquanto, a interferência visa tão somente salvaguardar a saúde do Autor, garantindo-lhe a proteção imunizante da vacina, indicado para o caso.

E por último com certeza haverá recurso apropriado que, se for o caso, poderá conferir efeito suspensivo e/ou até mesmo cassar decisão;

Guaxupé, 19/07/21.

Milton B. Furquim




Mais Justiça


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar