JÁ OUVIU FALAR NA DOENÇA DE PEYRONIE OU SIMPLESMENTE PÊNIS TORTO? - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 15 de abril de 2021


Publicidades

JÁ OUVIU FALAR NA DOENÇA DE PEYRONIE OU SIMPLESMENTE PÊNIS TORTO?

Publicado quarta, 17 de fevereiro de 2021





Doença acomete 18% dos homens adultos e urologista aponta as principais causas e tratamentos

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), A Doença de Peyronie, conhecida como doença do pênis torto acomete até 18% dos homens adultos.  Em casos mais graves, o órgão chega a formar um "L" devido a sua tortuosidade, e a doença pode levar à diminuição e estreitamento do pênis e à disfunção erétil. Geralmente ela é ocasionada por trauma durante a penetração e acomete homens na sua maioria acima dos 50.

Segundo o Membro Titular da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), Dr. Danilo Galante trata-se de uma alteração do pênis por lesão do (s) corpo (s) cavernoso (s), com posterior cicatrização e fibrose no local lesionado. "A fibrose leva ao encurtamento do corpo cavernoso, comprometendo a elasticidade do membro e impedindo que se expanda normalmente. Isso leva a dor, deformidade e dificuldade de ereção e penetração", afirma o especialista.

Problema pode parecer desde a infância

Alguns meninos também apresentam esse quadro desde o nascimento (pênis curvo congênito), provocado por desproporção entre os tamanhos dos corpos cavernosos e uretra. Só requer tratamento se prejudicar o desempenho sexual no futuro.

Quando ocorre a doença de Peyronie?

A doença de Peyronie é bastante comum e ocorre normalmente após uma relação sexual mais intempestiva ou masturbação (mais raro), e também pode acontecer durante a prática de esportes com trauma local, o que leva a inflamações penianas e formação de placas internas.

Segundo o especialista, existem níveis diferentes de gravidade, podendo afetar o homem esteticamente ou atrapalhando sua ereção.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é basicamente clínico, feito a partir de conversa com paciente, exame físico e por foto do pênis em ereção. Raramente se faz necessária ressonância magnética para visualizar a placa fibrótica.

Quando o paciente sofre de dores e problemas sexuais decorrentes da doença é recomendado a realização de procedimento cirúrgico, no qual o médico geralmente encurta o lado bom. O procedimento tem alta eficácia, mas leva a diminuição do tamanho do pênis. Isso dependerá da gravidade da curvatura.

 "Outra cirurgia possível é alongar o lado encurtado. É uma cirurgia mais complexa. associada a índices maiores de impotência pós-procedimento", conclui Galante.

 

Dr. Danilo Galante – Formado em medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) com especialização em Urologia pela UNESP. Pós-graduado em Cirurgia Robótica pelo Hospital Oswaldo Cruz – SP. Doutorado em urologia pela USP, além de Fellow Observer of Johns Hopkins School of Medicine Brady Urological Institute Laparoscopic and Robotic Urologic Surgery. Membro Titular da Sociedade Brasileira  de Urologia e Instrutor do ATLS (Advanced Trauma Life Support), atua em áreas diversificadas como Cálculos Urinários; Infertilidade (incluindo Reversão de Vasectomia), Disfunção Sexual e Cirurgia Robótica. Site: https://drdanilogalante.com.br/ 




Mais Saúde


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar