APÓS ANÚNCIO DA REVOGAÇÃO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO COMÉRCIO, PREFEITO AFIRMA QUE VAI MANTER DECRETO EM FAVOR DOS COMERCIANTES - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 29 de maio de 2020


Publicidades

APÓS ANÚNCIO DA REVOGAÇÃO DA FLEXIBILIZAÇÃO DO COMÉRCIO, PREFEITO AFIRMA QUE VAI MANTER DECRETO EM FAVOR DOS COMERCIANTES

Publicado sexta, 01 de maio de 2020





Nunca na história de Guaxupé e talvez até do mundo todo, uma pandemia causou tamanha crise entre saúde e economia.

Muitas teorias foram descartadas desde o início da disseminação do coronavírus no mundo e a incerteza vem reinando até que se descubra a cura para a doença que na data de hoje, dia 01 de maio, já matou 235.290 pessoas. No Brasil, são 6.329 mortos, 91.589 casos confirmados. Por sorte, o número de curados também é considerável no país: 35.935.

Desde que no Brasil foi detectado as primeiras manifestações do Covid-19, vários Estados tomaram as devidas medidas preventivas e o isolamento social foi unânime, já que é defendida pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e pelo Ministério da Saúde.

Pegos de ‘supetão’, as atividades do comércio e da indústria consideradas não-essenciais foram paralisadas. Mesmo com algumas medidas emergenciais do Ministério da Fazenda, demissões e quebras de contratos foram uma das soluções encontradas por alguns proprietários. Fora isso, mais incerteza econômica e o número de casos no país seguindo a tendência mundial esperada, mas até então contida (sem um boom como era o temido).

 

RETOMADA DO COMÉRCIO E OUTRAS ATIVIDADES

No dia 27 de abril, o governo de Minas Gerais lançou o programa “Minas Consciente – Retomando a economia do jeito certo”, criado pelo Governo Estadual por meios das secretarias de Desenvolvimento Econômico (Sede) e de Saúde (SES-MG), sugerindo para as prefeituras a retomada gradual de comércio, serviços e outros setores, adotando protocolos sanitários, divididos por segmentos, que garantam a segurança da população.

“Não é uma obrigação implantar os protocolos, mas sabemos que muitas cidades já estão de portas abertas. O Governo de Minas está propondo a melhor maneira para agir com segurança. Caberá ao prefeito analisar, diariamente, o cenário epidemiológico e tomar a decisão correta”, reiterou o governador Romeu Zema.

Marcelo Cabral, secretário estadual de saúde, destacou que o programa não deve ser interpretado como uma autorização para que as pessoas possam ir às ruas, atitude que poderia gerar pressões sobre a curva de contágio da Covid-19. “Não se trata de relaxamento ou de flexibilização. Entendemos que cada município tem suas particularidades, suas peculiaridades. Então, haverá necessidade de que cada um prossiga com suas responsabilidades para evitar a propagação da doença”, avaliou.

O Grupo Técnico de Profissionais de Saúde do Ministério Público de Minas Gerais – GT-Saúde e o Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Minas Gerais – NESCON deram pareceres contrários a flexibilização do comércio/atividades: Em conclusão, os peritos contraindicaram a abertura das atividades econômicas e serviços não essenciais “na atual fase de ascendência da curva de infecções baseada exclusivamente em dados clínicos e de inexistência de dados epidemiológicos sobre a imunidade da população”.

 

POLÊMICA

Em Guaxupé, a Prefeitura Municipal, assim como a grande maioria dos municípios brasileiros, seguiu as orientações impostas pelos governos federal e estadual e através do primeiro Decreto declarou situação de Emergência na cidade. Outros Decretos foram divulgados para a adaptação das normas necessárias e obrigatórias para o comércio, prestadores de serviços, indústrias, etc.

Depois de mais de um mês com algumas atividades paralisadas e devido a pressão da grande maioria dos comerciantes, foi anunciando na noite do dia 29 de abril a volta, de uma só vez, de diversas atividades comerciais na cidade, divididas em “ONDAS” e que foram estabelecidas pelo Governo Estadual. Mas ao contrário da sugestão do governo, a maioria das atividades foram liberadas a funcionar de uma vez só e não escalonada, incluindo o funcionamento de bares, restaurantes e lanchonetes, com presença de clientes e sem entretenimento, desde que seguindo as orientações de prevenção.

A decisão provocou polêmica entre a população e no dia seguinte ao Decreto, na quinta-feira, foi grande a movimentação no comércio e inúmeras filas foram formadas em alguns locais. O uso de máscara é obrigatório e muitas pessoas acataram essa decisão.

No final daquela tarde, a Prefeitura de Guaxupé em uma transmissão ao vivo pelo Facebook divulgou que havia recebido uma recomendação do Ministério Público de Guaxupé solicitando que fosse revogado o decreto da flexibilização e que então estaria prevalecendo o anterior.

Minutos depois, pela rede social, o prefeito Jarbinhas, em lágrimas, afirmou que não acataria a recomendação, apesar de respeitar a justiça, mas pelo bem do comércio e prestadores de serviço estaria se colocando como responsável pela decisão.

O prefeito falou também que a flexibilização não descarta os cuidados de proteção e o uso da máscara, lembrando que as saídas de casa deverão ser feitas apenas se necessário.

Pediu para que a população o apoie na difícil decisão, fazendo sua parte com a proteção.

Ao final da transmissão, uma carreata com várias pessoas percorreu o trajeto da Prefeitura até a casa do prefeito para agradecê-lo.




Mais Cidade


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar