Guaxupé, quarta-feira, 12 de dezembro de 2018
Você está em: Notícias / Eleição / Num cenário político desgastado, Bolsonaro recebe maioria dos votos em Guaxupé
terça-feira, 30 de outubro de 2018

Num cenário político desgastado, Bolsonaro recebe maioria dos votos em Guaxupé

Os eleitores guaxupeanos, em consonância com os do restante do país, concederam 59,59% da preferência ao candidato à presidência da República Jair Messias Bolsonaro, que disputou o pleito com Fernando Haddad (PT).
 
Bolsonaro, como o candidato do PSL é mais conhecido, foi eleito presidente da República, obtendo 15.289 votos em Guaxupé, enquanto que Haddad conseguiu 10.366 (40,41%) no município.
 
O PSL não tem um histórico representativo na cidade, no passado já lançou alguns candidatos a vereador, porém não obteve sucesso. Já o PT, ao longo dos anos, teve importante participação em cargos eletivos, com alguns vereadores, além do mandato do prefeito Roberto Luciano Vieira (2009 a 2012).
 
Assim como outros integrantes do PT a nível nacional, Roberto Luciano vem enfrentando nada mais, nada menos, que 25 (vinte e cinco) processos penais, além de ações civis públicas, inclusive já tendo sido condenado em Segunda Instância em uma delas.
 
Em 2012, o então prefeito Roberto Luciano tentou a reeleição, obtendo a terceira colocação, perdendo para o candidato Barretinho e para o vitorioso, Jarbas Corrêa Filho.
 
Na eleição de domingo, dia 28, estavam aptos a votar, em Guaxupé, 38.582 eleitores, porém deste total apenas 76,63% (29.564 eleitores) compareceram nas seções de votação. Portanto o índice de abstenção foi de 23,37%, ou seja, 9.018 eleitores deixaram de votar.
 
Votos brancos e nulos
Dos 29.564 votantes, apenas 86,78% (25.655 pessoas) destinaram seus votos aos candidatos; 10,31% (3.047 eleitores) anularam os respectivos votos e 2,92% (862) votaram em branco.

A somatória da abstenção e dos votos nulos e brancos atingiu um total de 12.927.
 
Plataforma de governo
Jair Bolsonaro, descendente de imigrantes italianos e alemães, é capitão reformado do Exército Brasileiro, foi vereador na cidade do Rio de Janeiro, estando no seu sétimo mandato de deputado federal.
 
Ferrenho defensor da ditadura e do poder autoritário, sua plataforma de campanha se baseou na possibilidade da população adquirir armas de fogo, no combate à corrupção e num governo autônomo sem conchavos políticos para preenchimento de cargos públicos.
 
Como o PT já vinha sendo alvo de investigações de supostos desvios de verbas públicas na cidade, 59,59% do eleitorado decidiu lhe dar um voto de confiança. (WF)  

Comente, compartilhe!

© Copyright 2014 - Todos os direitos reservados