Guaxupé, quarta-feira, 22 de novembro de 2017
Você está em: Notícias / Artigos / A voz do inconsciente
terça-feira, 14 de novembro de 2017

A voz do inconsciente

“A voz do inconsciente é sutil, mas ela não descansa até ser ouvida." Sigmund Freud
Na oração, você fala com Deus.

No divã, você fala com você mesmo.

Na Igreja, um sacerdote pode lhe auxiliar.

No Consultório de Psicoterapia, é o psicólogo quem te auxilia.

O sacerdote é um especialista em espiritualidade.

O psicoterapeuta é um especialista em personalidade.

Na oração, você se reconcilia com o Criador.

No divã, você se reconhece criatura – alguém dependente de uma força maior... Dependente para viver. Dependente do “sopro vital”. E reconcilia-se consigo mesmo, preparando-se para se reconciliar também com o seu semelhante e com a natureza.

Note que a Psicologia e a crença religiosa sadia se complementam. Uma necessita da outra, e o resultado dessa união é uma vida mais feliz, saudável, harmoniosa e equilibrada.

Ambas lidam com a alma humana.

São contribuições da ciência e do sobrenatural para o bem estar da humanidade... Um bem estar que, quando realmente acontece, produz reflexos em toda a forma de vida na terra.

A Psicologia é filha da Religião.

Para isso o trabalho em conjunto entre elas é necessário.

Qualquer pessoa pode se beneficiar das duas...

Qualquer indivíduo pode desenvolver coragem suficiente para falar de si mesmo, fazendo isso diante da pessoa certa e em locais adequados.

Pode falar, desabafar, opinar, criticar, elogiar, rir, chorar, sonhar, se arrepender, agradecer, recomeçar... Colocar “pra fora” suas angústias. Aliviar-se! Não mais aprisionar dentro de si aquilo que precisa ser verbalizado. Caso contrário, o indivíduo ficará ainda mais frustrado, angustiado, tensionado, irado, e até atormentado por fantasmas e demônios.

É preciso “por pra fora” tais conteúdos emocionais, tais registros psíquicos, lembranças boas, recordações ruins, vivências, traumas... E é preciso fazer tudo isso falando.

A dica para não se decepcionar é: Fale somente quando perceber que de fato alguém está prestando atenção em você, querendo verdadeiramente te ouvir, te compreender, te orientar, te ajudar. Se não for assim, não fale... Busque outra pessoa, outro familiar, outro profissional ou outra oportunidade.

Comente, compartilhe!

© Copyright 2014 - Todos os direitos reservados