Guaxupé, segunda-feira, 20 de agosto de 2018
Você está em: Acontece / Saúde / Hipertensão é a principal causa de ataques cardíacos. Entenda o problema e como tratá-lo
terça-feira, 24 de abril de 2018

Hipertensão é a principal causa de ataques cardíacos. Entenda o problema e como tratá-lo

Próximo ao dia de prevenção e combate à hipertensão (26 de abril), Dr. Augusto Scalabrini Neto, professor da USP e do corpo clínico do Hospital Sírio Libanês apresenta as dicas para evitar a doença
A hipertensão é uma doença que atinge muitos brasileiros, sem nenhuma distinção. Apesar de ter diversas causas, algumas não podem ser evitadas, como a questão de genética, sexo, idade e até mesmo etnia. Cardiologista e professor da USP, o especialista Augusto Scalabrini Neto aponta que o ideal é se manter atento e fazer exames de rotina para saber se há ou não chances de ter o problema ao longo da vida.

A doença, que age danificando o coração e o sistema arterial, faz com que o sangue seja bombeado com mais força pelas artérias, que estão mais contraídas, gerando resistência cardiovascular. "A pressão arterial está diretamente ligada com o bombeamento de sangue no coração e por isso pode causar complicações em vários órgãos do corpo, como o próprio coração, rins, olhos e o cérebro", explica o professor da USP.

No entanto esses sintomas costumam aparecer apenas em estágio avançado da condição, fazendo com que as pessoas não percebam que há um problema, o que agrava ainda mais a situação.

Para saber se há ou não alguma complicação, o primeiro passo é realizar o exame de pressão. Algumas pessoas recebem um diagnóstico inexato por não estarem habituados com a medição. Por isso, para medir a pressão arterial de forma correta é necessário estar calmo, não ter feito esforço físico ou ingerido alimentos ou bebidas alcoólicas nos últimos minutos. Até mesmo cruzar as pernas ou falar pode influenciar e gerar um resultado errôneo do exame.

Cerca de 35% da população brasileira é hipertensa e a doença pode surgir como consequência de sedentarismo, obesidade, estresse e excessos de sal, álcool e tabagismo. "As chances de desenvolver hipertensão aumentam ainda mais se houver uma combinação desses fatores, que separados já são um perigo para saúde do coração e todos os órgãos do corpo são afetados direta ou indiretamente", comenta.

Além dos tratamentos medicamentosos, a principal maneira para controlar a hipertensão é a mudança de estilo de vida. "As mudanças podem ser feitas gradualmente, mas a doença é um resultado da forma como as pessoas vivem, por isso é importante começar o tratamento o mais cedo possível", recomenda Dr. Augusto.

Para as pessoas acima do peso, é importante saber que cada quilo perdido ajuda a diminuir essa fragilidade. A dieta passa a levar um pouco menos de sal, gorduras e processados. O hipertenso deve optar por alimentos cozidos ou grelhados, além de temperos naturais. Começar a praticar exercícios físicos também é um grande auxílio nesse processo. Por outro lado, é importante estar atento com o psicológico, problemas do cotidiano podem fazer com que o estresse e o nervosismo sejam algo normal, mas administrar contratempos com tranquilidade melhora a vida em todos os setores.

Augusto Scalabrini Neto, cardiologista, é graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. É Professor Adjunto e Coordenador de Ensino do Departamento de Emergências Clínicas na mesma Universidade, Coordenador Geral e Didático do Laboratório de Habilidades e Simulação da Faculdade de Ciências Médicas Minas Gerais e Docente Invitado da Universidad Finis Terrae em Santiago, Chile. Coordena vários projetos de investigação nacionais e internacionais em Educação Médica e Simulação. Augusto Scalabrini Neto é fundador e Ex Presidente Reeleito da ABRASSIM (Associação Brasileira de Simulação em Saúde), e fundador e Presidente Passado da FLASIC (Federación Latino Americana de Simulación Clínica). Foi o primeiro latino-americano a ser indicado Presidente do International Meeting for Simulation in Healthcare. É membro efetivo do Comitee for Simulation da AMEE (Association for Medical Education in Europe) e membro da comissão julgadora do Prêmio Aspire, modalidade Simulação, da AMEE. É médico do Corpo Clínico e Vice-Presidente da COREME (Comissão de Residência Médica) do Hospital Sírio Libanês e supervisor do Programa de Residência Médica em Cardiologia do Hospital Sírio Libanês.

Comente, compartilhe!

© Copyright 2014 - Todos os direitos reservados