Guaxupé, segunda-feira, 23 de julho de 2018
Você está em: Acontece / Saúde / A partir deste mês, usuários de planos de saúde podem se beneficiar com tratamento para Esclerose Múltipla
segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

A partir deste mês, usuários de planos de saúde podem se beneficiar com tratamento para Esclerose Múltipla

Avanço no direito dos pacientes proporciona acesso, pela rede privada de saúde, ao tratamento imunobiológico
São Paulo, janeiro de 2018 – A última atualização do rol de eventos e procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é a cobertura mínima obrigatória dos planos de saúde no Brasil, trouxe uma ótima notícia para os brasileiros que convivem com a Esclerose Múltipla (EM) - a inclusão de um medicamento imunubiológico para tratar a doença no Sistema de Saúde privado. O natalizumabe, administrado via infusão intravenosa, está indicado para a prevenção de surtos e retarda a progressão da incapacidade nos pacientes com Esclerose Múltipla Recorrente Remitente.

"Essa incorporação é um grande avanço no direito do paciente. Até o ano passado, não tínhamos qualquer medicamento para tratar a EM disponível na cobertura mínima da ANS. É mais uma via de acesso ao tratamento. Para nós, quanto mais opções, melhor", explica Gustavo San Martin, fundador da associação de pacientes Amigos Múltiplos pela Esclerose (AME).

Os pacientes com prescrição médica de natalizumabe podem realizar a solicitação do medicamento e do procedimento diretamente à sua operadora de saúde ou sua rede de prestadores credenciada e referenciada. As terapias atualmente disponíveis para o tratamento da esclerose múltipla permitem controlar sua progressão, reduzindo a recorrência de surtos e aliviando os sintomas. O objetivo principal é manter a doença estável. Os medicamentos, aliados ao suporte de uma equipe médica multidisciplinar e a um estilo de vida adaptado, permitem ao paciente conviver com a doença de forma controlada e manter a qualidade de vida.

Quando não diagnosticada precocemente e tratada, a EM afeta significativamente a qualidade de vida do paciente já nos estágios iniciais. "A doença exige um tratamento individualizado e nem sempre uma terapia que funciona para um, é adequada e eficaz para o outro, por isso, é de extrema importância a ampliação do seu arsenal terapêutico. A inclusão desta terapia no rol do sistema privado é mais uma grande conquista para pacientes e médicos", explica o neurologista Jefferson Becker, Presidente Executivo do Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla e Doenças Neuroimunológicas (BCTRIMS).

Saiba mais sobre a esclerose múltipla:

A esclerose múltipla é uma doença que compromete o sistema nervoso central. É um processo de inflamação crônica de natureza autoimune que pode causar desde problemas momentâneos de visão, falta de equilíbrio até sintomas mais graves, como cegueira e paralisia completa dos membros. A doença está relacionada à destruição da mielina – membrana que envolve as fibras nervosas responsáveis pela condução dos impulsos elétricos no cérebro, medula espinhal e nervos ópticos. A perda da mielina pode dificultar e até mesmo interromper a transmissão de impulsos. A inflamação pode atingir diferentes partes do sistema nervoso, provocando sintomas distintos, que podem ser leves ou severos, sem hora certa para aparecer.

A doença geralmente surge sob a forma de surtos recorrentes, sintomas neurológicos que duram ao menos um dia. A maioria dos pacientes diagnosticados são jovens, entre 20 e 40 anos, o que resulta em um impacto pessoal, social e econômico considerável por ser uma fase extremamente ativa do ser humano. A progressão, a severidade e a especificidade dos sintomas são imprevisíveis e variam de uma pessoa para outra. Algumas são minimamente afetadas, enquanto outras sofrem rápida progressão até a incapacidade total.

Referências

1. Neeta Garg1 & Thomas W. Smith2. An update on immunopathogenesis, diagnosis, and treatment of multiple sclerosis. Barin and Behavior. Brain and Behavior, 2015; 5(9)

2. Noseworthy JH, Lucchinetti C, Rodriguez M, Weinshenker BG. Multiple sclerosis. N Engl J Med. 2000;343(13):938–52.

3. Cristiano E, Rojas J, Romano M, Frider N, Machnicki G, Giunta D, et al. The epidemiology of multiple sclerosis in Latin America and the Caribbean: a systematic review. Mult Scler. 2013;19(7):844–54.

4. World Health Organization (WHO), Multiple Sclerosis International Federation. Atlas multiple sclerosis resources in the world 2008. Geneva: WHO; 2008. 56 p.

Comente, compartilhe!

© Copyright 2014 - Todos os direitos reservados