Guaxupé, sábado, 25 de maio de 2019
Você está em: Acontece / Meu Pet é Top / Displasia Coxofemoral: doença que afeta as articulações dos pets
quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Displasia Coxofemoral: doença que afeta as articulações dos pets

O diagnóstico é realizado pela constatação dos sintomas, avaliação ortopédica e exame radiográfico específico das articulações
A crescente evolução da Medicina Veterinária vem abrindo espaço em diversos segmentos e diversas especialidades médicas existentes. Uma das patologias em ascensão é a ortopedia de pequenos animais, que hoje tem amplo acesso a diagnóstico e tratamentos inovadores, e de última geração, proporcionando melhor qualidade de vida aos pets. 

De acordo com o médico veterinário e professor de técnica cirúrgica e patologia cirúrgica de pequenos animais da Universidade UNIVERITAS/UNG, Renato Dalcin Segala, os problemas ortopédicos podem acontecer em pequenos animais, desde o nascimento até o fim da vida. "Uma doença que rotineiramente diagnostica é a Displasia Coxofemoral (DCF), enfermidade ortopédica de caráter hereditário, podendo raras vezes ser considerada adquirida, e que acomete em cães de pequeno e grande porte e gatos. Os cães de raças grande e gigante (Rottweiler, Pastor Alemão, Labrador, Golden Retriever, Cane Corso, Bernese, Fila Brasileiro, entre outras), são os mais afetados", explica. 

Displasia Coxofemoral: 

É caracterizada por uma incongruência e consequente instabilidade da articulação coxofemoral (articulação entre o osso fêmur e o quadril), que resulta em sintomatologia clínica, que pode variar de claudicação leve a impotência funcional dos membros pélvicos. Sintomas de dor e desconforto ao se levantar e transpor obstáculos são característicos da doença, e os sinais clínicos podem aparecer nas primeiras semanas ou meses de vida. A sintomatologia clínica do pet jovem é justificada pela frouxidão e instabilidade da articulação, resultando em quadro de dor e inflamação na superfície articular; já no adulto o quadro degenerativo e de osteoartrose que normalmente se desenvolve nessas articulações são os grandes responsáveis por esses sintomas. Alguns fatores como rápido crescimento e desenvolvimento, ganho de peso excessivo, perda de massa muscular, exercícios intensos quando filhotes e presença de piso liso no ambiente onde ficam são considerados predisponentes para uma evolução gradativa da doença. 

Diagnóstico: 

O exame radiográfico permite classificar a Displasia Coxofemoral em cinco categorias, de acordo com a mensuração do ângulo de Norberg, podendo ser caracterizada como: normal, próximo ao normal, grau de displasia leve, displasia moderada e displasia severa. O grau da doença pode evoluir, principalmente durante o desenvolvimento do paciente. Cães com grau de displasia moderado ou severo não estão aptos à reprodução. O diagnóstico precoce e o acompanhamento radiográfico da articulação acometida são fundamentais para a decisão do tratamento e tentativa de controlar a evolução da doença. 

Tratamento:

Pode ser conservativo, com administração de analgésicos, anti-inflamatórios, tratamento específico, redução de peso, e substituição do piso onde o pet habita. Também deve restringir exercícios que sobrecarreguem as articulações coxofemorais, como transpor obstáculos, carregar peso, subir escadas, puxar pessoas em bicicletas e/ou skates. Ainda fazem parte do tratamento conservativo à realização do tratamento fisioterápico e acupuntura, que colaboram muito para a analgesia e ganho de massa muscular. O tratamento conservativo costuma reduzir grande parte da sintomatologia clínica dos pacientes, permitindo melhor qualidade de vida e condição clínica próxima do normal. 

"Um dos fatores muito discutido nas consultas é como evitar a permanência desses pacientes no piso liso, pois muitos tutores se deparam com situações onde não possuem espaço com piso rústico em suas residências. Uma saída para esse desafio é colocar tapes ou "passadeiras" de borracha no espaço onde o pet permanece a maior parte do tempo ou recobrir o espaço com placas de "EVA", assim não necessitando trocar o piso liso por um rústico, ou trocar de residência como muitos optam em fazer", finaliza o professor. 

Quando o tratamento conservativo não é o suficiente para fornecer qualidade de vida a estes pacientes, pode-se optar pelo tratamento cirúrgico que varia entre técnicas que visam somente o controle da dor articular, até a substituição completa da articulação do quadril por prótese total da cabeça, colo femoral e acetábulo. Algumas técnicas cirúrgicas só apresentam bons resultados quando instituídas em pacientes jovens, ainda na fase de desenvolvimento,, justificando a importância de um diagnóstico precoce.

Comente, compartilhe!

© Copyright 2014 - Todos os direitos reservados