Guaxupé, domingo, 19 de agosto de 2018
Você está em: Acontece / Comportamento / Como a relação conjugal influencia na criação do filho?
sexta-feira, 27 de abril de 2018

Como a relação conjugal influencia na criação do filho?

Como a minha relação conjugal influência na criação do meu filho? Essa é uma pergunta muito pertinente para todo pai e mãe responderem nos dias atuais. Quando a criança nasce ela observa o comportamento dos seus genitores e os imita. A verdade é que os filhos são testemunhas morais do dia a dia dos pais, são com eles que dão os primeiros passos na aprendizagem de como lidar com um sistema de regras que encontrarão durante toda a vida. E é ao observar o ambiente dentro de casa, ainda na infância, que irão estruturar seu comportamento dentro da sociedade.

É muito antes de ir para a escola que os filhos são confrontados com regras e questões morais. O certo ou errado para a criança dependerá de como ela ver que funcionam as regras em casa. E quando ela é enviada para o ambiente escolar já terá em sua bagagem esse conjunto de regras do seu primeiro convívio social. Nesse novo lugar ele influenciará seus amigos, e também será influenciado por eles, essa troca de informações formará o homem do amanhã. Como já disse Freud: “a criança é o pai do homem”. 

Então como os pais podem fazer para ter sucesso na criação dos filhos? 

O primeiro ponto a se destacar é a comunicação entre os cônjuges. No tom de voz, em como o marido fala com a esposa e vice e versa. Um princípio judaico diz que a vida e a morte estão na mão da fala, que seria o diálogo em um relacionamento, que reflete em todas as outras relações possíveis na vida do indivíduo: familiares, sociais, escolares, comerciais, conjugais, entre amigos, entre outras. 

A fala é a principal característica do ser humano, é a comunicação mais sofisticada que o caracteriza em função de poder de forma complexa, estruturada e aprofundada, expressar pensamentos e sentimentos, descobertas e frustrações, e os pais devem utilizar bem essa ferramenta. O diálogo em casa vai demonstrar como a criança deve ser relacionar com o outro, e ela aprenderá isso ao observar como será abordada pelo pai e pela mãe. 

A importância de utilizar o diálogo: quantidade x qualidade 

Uma pesquisa realizada em 2005 mostra que o tempo gasto pelo homem para conversar com sua esposa é de uma hora e meia. Parece ser muito pouco, visto que temos 24 horas no dia, mas o que realmente importa é saber se essa fala é qualitativa ou rotineira, simplesmente burocrática e, até mesmo, sem nenhuma importância educacional, ética ou moral.   

O problema é que se observou um diálogo superficial. Falas como: “não esquece disso”, “pague aquilo”, “temos isso para fazer”, “não esquece aquilo outro”, no geral são sempre falas sobre rotina da agenda. Essas conversas são necessárias e importantes, mas é preciso uma que alimente a relação conjugal também. Isso com o tempo vai desgastar o casal. Destaco que é uma arte ser marido e pai, como é uma arte ser mãe e esposa.  

Estamos vivendo uma crise no relacionamento entre marido e mulher, onde falas de carinho e profundidade não encontram espaço. O que acaba por refletir nos próprios filhos. O grande problema dos conflitos familiares está na possibilidade de se ter uma pessoa que é um super-pai e um marido ausente, ou o contrário, um super-marido, mas um pai ausente, o mesmo vale para a mãe. Mas quando se trata do pai o quadro é mais agravante. Além do maior índice de abandono, muitas vezes a relação pai e filho se resume a perguntas como: “tomou banho?”, “fez a lição?”, “vai dormir!”. Isso não marcará a vida de nenhuma criança, não traçará a personalidade de ninguém. 

A fala começa a perder a emoção e conteúdo, então começamos com uma relação conjugal medíocre e vamos parar em uma relação com os filhos quase inexistente, apenas de comandos. 

É preciso então resgatar as frases de efeito que ouvimos dos nossos avós e dos nossos pais, que ilustram respeito, que contem sabedoria, que vai deixar registrado a marca no filho que será o homem de amanhã. E não frases burocráticas, ordens, mando e desmando, isso é um desgaste, embora necessário. Não pode ocupar o tempo disponível tanto na relação conjugal, como na relação de pai e filho. 

Um diálogo que aponte para o respeito: criando homens e mulheres do amanhã 

Respeito, segundo o judaísmo, é uma das questões mais importantes. De acordo com Maimônides, grande sábio judeu da idade média, uma das maiores necessidades do homem não é comer, beber e tão pouco fazer sexo ou ter satisfação no trabalho, mas sim a necessidade de ser respeitado, de ser reconhecido pelo próximo.  

Então, em uma relação conjugal, que terá impacto nos filhos, o diálogo deverá demonstrar o respeito do marido para com a esposa, e vice-versa. Se a conversa apresentar conteúdo, um tema envolvente, a criança será estimulada a ser extremamente respeitosa e profunda. Isso vai refletir em toda a vida dele. 

A preocupação com essa questão do respeito vai muito além do ambiente familiar. Uma pesquisa de 2013, realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento  Econômico (OCDE), aponta que o professor no Brasil perde 20% do tempo para colocar a classe em ordem e acabar com a bagunça e outros 13% resolvendo problemas burocráticos, totalizando 33% do tempo usado para esses fins. Para o mesmo propósito a média de outros países é de apenas 13%.  Ou seja, o diálogo não está surtindo efeito nem dentro da escola. Estamos hoje diante de uma crise de relacionamento. A começar pelo matrimonial, depois dos pais e filhos e que alcança educadores e alunos. 

Se os pais usarem do seu tempo estimulando os filhos a pensarem e a conversarem da mesma forma como eles testemunharam em uma boa relação conjugal, ao lembra-lo de como havia respeito no olhar para o outro. Com a palavra respeito sendo norteadora do relacionamento conjugal e familiar, essa qualidade prosseguirá para os próximos relacionamentos de nossos filhos, sejam com professores, colegas de sala, amigos, entre outros, os tornando cidadãos do amanhã, que buscam criar uma sociedade melhor.

Sobre o Rabino Samy Pinto

O Rabino Samy Pinto é formado em Ciências Econômicas, se especializou em educação em Israel, na Universidade Bar-llan, mas foi no Brasil que concluiu seu mestrado e doutorado em Letras e Filosofia, pela Universidade de São Paulo (USP). Foi diretor do Colégio Iavne, por 22 anos. O Rav. Samy Pinto ainda é diplomado Rabino pelo Rabinato chefe de Israel, em Jerusalém, e hoje é o responsável pela sinagoga Ohel Yaacov, situada no Jardins também conhecida como sinagoga da Abolição.

Comente, compartilhe!

© Copyright 2014 - Todos os direitos reservados